Commit 0296531e authored by Rafael Peretti Pezzi's avatar Rafael Peretti Pezzi

Sáb Jan 9 15:51:31 BRST 2016

parent 062973c9
......@@ -110,10 +110,11 @@ __Notas:__
[^UNFCCC-2009]: United Nations Framework Convention on Climate Change, FCCC/SB/2009/2, Recommendations on future financing options for enhancing the development, deployment, diffusion and transfer of technologies under the Convention. Disponível em http://unfccc.int/resource/docs/2009/sb/eng/02.pdf. Acesso em 10 de Setembro de 2015.
[^SL]: FREE SOFTWARE FOUNDATION. O que é software livre? Diponível em : https://www.gnu.org/philosophy/free-sw.html. Tradução: Rafael Beraldo. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^GNU]: A história do projeto GNU. Disponível em https://www.gnu.org/gnu/gnu-history.html. Acessado em 8 de Janeiro de 2016.
[^SL]: FREE SOFTWARE FOUNDATION. O que é software livre? Diponível em : https://www.gnu.org/philosophy/free-sw.html. Tradução: Rafael Beraldo. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^GPL]: GNU General Public License. Disponível em https://gnu.org/licenses/gpl.html . Acessado em 8 de Janeiro de 2016.
[^DEBIAN]: Orientações para software livre para parte do Contrato Social do Debian. Disponível em https://www.debian.org/social_contract#guidelines. Acessado em 8 de Janeiro de 2016.
......
......@@ -20,12 +20,14 @@ __Notas:__
[^EMM-wiki]: CENTRO DE TECNOLOGIA ACADÊMICA. Estações meteorológicas Modulares: monitoramento climático e ambiental. Disponível em: http://cta.if.ufrgs.br/projects/estacao-meteorologica-modular/wiki/Wiki. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^modelagem]: CENTRO DE TECNOLOGIA ACADÊMICA. Modelagem computacional em Física utilizando Python e VPython. Disponível em: http://cta.if.ufrgs.br/projects/modelagem-computacional-em-fisica-utilizando-python-e-vpython/wiki. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^bramesim]: CENTRO DE TECNOLOGIA ACADÊMICA. Bramesim - Braço Mecânico simples. Disponível em: http://cta.if.ufrgs.br/projects/bramesim-braco-mecanico-simples/wiki. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^sirene]: CENTRO DE TECNOLOGIA ACADÊMICA. Sirene Escolar Baseada em Arduino. Disponível em: http://cta.if.ufrgs.br/projects/sirene-escolar-baseado-em-arduino/wiki. Acessado em 6 de Janeiro de 2016.
[^FJDB]: CENTRO DE TECNOLOGIA ACADÊMICA. Fresadora PCI João-de-barro. Disponível em: http://cta.if.ufrgs.br/projects/fresadora-pci-joao-de-barro/wiki/Wiki. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^modelagem]: CENTRO DE TECNOLOGIA ACADÊMICA. Modelagem computacional em Física utilizando Python e VPython. Disponível em: http://cta.if.ufrgs.br/projects/modelagem-computacional-em-fisica-utilizando-python-e-vpython/wiki. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^bramesim]: CENTRO DE TECNOLOGIA ACADÊMICA. Bramesim - Braço Mecânico simples. Disponível em: http://cta.if.ufrgs.br/projects/bramesim-braco-mecanico-simples/wiki. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
## 5 Empreendedorismo aberto
As mudanças nas condições de produção e circulação da informação, do conhecimento e da cultura também trazem novas oportunidades e desafios para o mercado. Se por um lado a crença de que a viabilidade econômica de investimentos em inovação precisam ser baseados em monopólios viabilizados por segredos industriais, comerciais e outras formas de propriedade intelectual está sendo erodida pelos casos de empreendedorismo aberto de sucesso, por outro, o crescimento da demanda por tecnologias não limitadas pelos monopólios e a redução de custos associadas aos mecanismos de inovação de código aberto têm mostrado que as tecnologias livres e abertas são alternativas de potencial interesse em novas lógicas de mercado.
As mudanças nas condições de produção e circulação da informação, do conhecimento e da cultura também trazem novas oportunidades e desafios para o mercado. Se por um lado a crença de que a viabilidade econômica de investimentos em inovação precisam ser baseados em monopólios viabilizados por segredos industriais, comerciais e outras formas de propriedade intelectual está sendo erodida pelo sucesso demonstrado de empreendedorismo aberto, por outro, o crescimento da demanda por tecnologias não limitadas pelos monopólios e a redução de custos associadas aos mecanismos de inovação de código aberto têm mostrado que as tecnologias livres e abertas são alternativas de potencial interesse em novas lógicas de mercado. O mercado de tecnologias livres teve sua origem nos anos 90 através do *software* livre. Este mercado tem crescido e pode ser ilustrado com o exemplo da RedHat, uma empresa que oferece soluções de *software* livre e serviços relacionados. Esta empresa declarou, no ano fiscal que se encerrou em fevereiro de 2015, um faturamento de 1.79 Bilhões de Dolares americanos, com lucro de US$ 180 Bilhões no ano [^RedHat]. Porém também existem milhares de pequenas e médias empresas de desenolvimento, suporte e treinamento de *software* livre.
A disseminação das tecnologias livres no mundo instigou, de forma conjunta e causal - simultaneamente -, a formação de modelos de negócios abertos. Estes modelos se caracterizam basicamente por [^OB]:
* Participação no empreendimento aberta a todos interessados (internos ou externos à empresa);
* Colaboração ativa na parte de divulgação e compartilhamento de conhecimento dentro do negócio;
* Valorização do envolvido no negócio de forma correspondente com a sua colaboração.
O princípios dos modelos de negócio abertos que usualmente eram aplicados para o *software* livre, começaram a ser adaptados para o mercado de *hardware* aberto e livre. Empresas relativamente recentes, tais como Adafruit [^AF] e SparkFun [^SF], têm se mantido em plena expansão por meio de negócios colaborativos utilizando *hardware* aberto.
:>(Citar aqui o faturamento da Sparkfun. Deve ter no site)
O trabalho conjunto no desenvolvimento de um negócio catalisa a inovação e sua produtividade. Negócios abertos causam maior efetividade na criação e na agregação de valor em uma organização (CHESBROUGH, 2007). Também é visto que uma estrutura colaborativa num ambiente de negócios proporciona maior proveito dos investimentos tanto em tempo quanto em dinheiro. Abrir setores de desenvolvimento de produtos para cooperação facilita a ramificação e o espalhamento de ideias permitindo que, por exemplo, patentes que não tiveram utilidade para a empresa que a criou sirvam e gerem valor sob uso de colaboradores externos.
Um desafio a ser superado reside em desconstruir a crença de que a abertura de um empreendimento o faz perder o propósito de lucrar. Não há correlação direta entre estes fatores, tendo em vista os casos de prosperidade mencionados anteriormente, o que remete também à distinção de abertura e liberdade para gratuidade. A verdadeira mudança se apresenta na forma de organização do desenvolvimento do produto e não na sua rentabilidade. Também é preciso avançar nos modelos de negócios que fazem uso de licenças permissivas e ao mesmo tempo não atuam de forma predatória aos grupos que criam e mantém a base da tecnologia livre e aberta. Idealmente, que mantenha uma relação ética e se integre à ecologia de desenvolvimento das tecnologias livres e abertas, colaborando para sua melhoria e diversificação.
Fatores como o alto custo do desenvolvimento tecnológico e o aspecto volátil da sobrevivência de novos produtos no mercado incentivam a abertura de empreendimentos (CHESBROUGH, 2007). Isso ocorre em função de que nesse processo o fardo desses fatores é sustentado pelos diversos colaboradores do negócio. Isso significa que o empreendedorismo aberto também simplifica todo o processo de inovação. Além disso, firmas tendem a sofrer uma diminuição na sua habilidade de se relacionar externamente com outras organizações e também reduzem sua base de conhecimentos a longo prazo quando não cooperam nem trocam informações. Dessa forma, pode-se dizer que o crescimento de um empreendimento pode ser acentuado através de processos abertos de desenvolvimento (KOSCHATZKY, 2001).
O sucesso dos modelos de negócio abertos vem sendo notado em organizações de diversos portes no mundo. Empresas relativamente recentes, tais como Adafruit [^AF] e SparkFun [^SF], têm mantido em plena expansão por meio de negócios colaborativos utilizando *hardware* aberto. Também há empresas transnacionais que têm aberto de forma gradativa seus projetos, tais como P&G e IBM, e obtido resultados positivos, apesar da mudança brusca do *status quo*. No Brasil, o avanço ainda é mais tímido, porém algumas iniciativas similares às já citadas obtêm êxito considerável em suas práticas. Um exemplo a ser destacado (de iniciativas em empreendedorismo aberto) é a da Incubadora Virtual da Universidade de São Paulo, que inspira-se nos projetos Wikipedia e SourceForge, que cria um espaço para inovação de forma colaborativa na parte de conteúdos virtuais (SIMON, 2004). Ela busca abrangir tanto as esferas sociais quanto tecnológicas e acadêmicas.
>: O projeto da incubadora virtual da FAPESP não vingou, não é um bom exemplo. Talvez tenha surgindo muito a frente de seu tempo ou em contexto não adequado.
Um desafio a ser superado reside em desconstruir a crença de que a abertura de um empreendimento o faz perder o propósito de lucrar. Não há correlação direta entre estes fatores, tendo em vista os casos de prosperidade mencionados anteriormente, o que remete também à distinção de abertura e liberdade para gratuidade. A verdadeira mudança se apresenta na forma de organização do desenvolvimento do produto e não na sua rentabilidade. Também é preciso avançar nos modelos de negócios que fazem uso de licenças permissivas e ao mesmo tempo não atuem de forma predatória aos grupos que criam e mantém a base da tecnologia livre e aberta. Idealmente que mantém uma relação ética e se integre à ecologia de desenvolvimento das tecnologias livres e abertas, colaborando para sua melhoria e diversificação.
O Centro de Tecnologia Acadêmica disponibiliza suas tecnologias e ferramentas para o empreendedorismo aberto. Ao licenciar seus projetos com licenças permissivas, convida aqueles que tem contato com seus projetos a se apropriarem de sua tecnologia, tanto em suas atividades acadêmicas, como também para integração em atividades economias, sem discriminação e livre de cobrança de royalties.
O Centro de Tecnologia Acadêmica disponibiliza suas tecnologias e ferramentas para o empreendedorismo aberto. Ao licenciar seus projetos com licenças permissivas, convida aqueles que tem contato com seus projetos a se apropriarem de sua tecnologia, tanto em suas atividades acadêmicas, como também para integração em atividades economias, sem discriminação e livre de cobrança de *royalties*.
__Notas:__
[^RedHat]: RedHat Financial Statements http://investors.redhat.com/financials-statements.cfm Acesso em 8 de Janeiro de 2016.
[^OB]: *Open business*. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Open_business. Acessado em 8 de Janeiro de 2016.
[^AF]: *Adafruit Industries*. Disponível em: https://www.adafruit.com/about. Acessado em 8 de Janeiro de 2016.
......
......@@ -76,5 +76,5 @@ __Notas:__
[^KiCAD]: Página do software KiCAD. Disponível em http://kicad-pcb.org . Acessado em 29 de Novembro de 2015.
[^varicad]:https://www.varicad.com acessado em 07 de Julho de 2015.
[^varicad]: https://www.varicad.com acessado em 07 de Julho de 2015.
......@@ -53,12 +53,14 @@ Os trabalhos desenvolvidos até o momento resultaram no artigo "Estações meteo
__Notas:__
[^TropOS]: TropOS - o Sistema Operacional Portátil do Laboratório Livre. Disponivel em: http://cta.if.ufrgs.br/projects/tropos/wiki/Wiki. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^TropOS]: TropOS - o Sistema Operacional PORTátil do laboratório livre. Disponivel em: http://cta.if.ufrgs.br/projects/tropos/wiki/Wiki. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^CERN_OHWL]: CONSEIL EUROPÉEN POUR LA RECHERCHE NUCLÉAIRE, CERN Open Hardware Licence v1.2. Disponível em: http://www.ohwr.org/documents/294. Acessado em 7 de Janeiro de 2016.
[^debian]: Debian, O sistema operacional universal;
[^FJB]: Fresadora João-de-Barro. Disponível em: http://cta.if.ufrgs.br/pcijb. Acessado em 7 de Janeiro de 2016.
[^CERN_OHWL]: CONSEIL EUROPÉEN POUR LA RECHERCHE NUCLÉAIRE, CERN Open Hardware Licence v1.2. Disponível em: http://www.ohwr.org/documents/294. Acessado em 7 de Janeiro de 2016.
[^lista-placas]: Lista de placas criadas para a Fresadora PCI João-de-Barro. Disponível em:http://cta.if.ufrgs.br/projects/fresadora-pci-joao-de-barro/wiki/Lista_de_placas_-_Fresadora_PCI_João-de-Barro. Acessado em 7 de Janeiro de 2016.
[^estado-atual]: Estado atual do desenvolvimento da JB. Disponível em: http://cta.if.ufrgs.br/boards/4/topics/5. Acessado em 7 de Janeiro de 2016.
......@@ -67,13 +69,12 @@ __Notas:__
[^SHIELD_AI]: Centro de Tecnologia Acadêmica IF/UFRGS. https://git.cta.if.ufrgs.br/CTA/shield-AI. Acessado em 25 de Agosto de 2015.
[^SL]: FREE SOFTWARE FOUNDATION. O que é software livre? Diponível em : https://www.gnu.org/philosophy/free-sw.html. Tradução: Rafael Beraldo. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^HOWE2006]: HOWE, J. (2006a) ‘Crowdsourcing: A Definition’, Crowdsourcing: Tracking the Rise of the Amateur (weblog, 2 June). Disponível em: <http://crowdsourcing.typepad.com/cs/2006/06/crowdsourcing_a.html>. Acesso em: 04 nov. 2015.
[^EMM-wiki]: Estações meteorológicas Modulares: monitoramento climático e ambiental. Disponível em: http://cta.if.ufrgs.br/projects/estacao-meteorologica-modular/wiki/Wiki. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^HOWE2006]: HOWE, J. (2006a) ‘Crowdsourcing: A Definition’, Crowdsourcing: Tracking the Rise of the Amateur (weblog, 2 June). Disponível em: <http://crowdsourcing.typepad.com/cs/2006/06/crowdsourcing_a.html>. Acesso em: 04 nov. 2015.
[^SL]: FREE SOFTWARE FOUNDATION. O que é software livre? Diponível em : https://www.gnu.org/philosophy/free-sw.html. Tradução: Rafael Beraldo. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^FJDB]: Fresadora PCI João-de-barro. Disponível em: http://cta.if.ufrgs.br/projects/fresadora-pci-joao-de-barro/wiki/Wiki. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
[^fablab]: Fab Lab. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Fab_lab. Acessado em 7 de Janeiro de 2016
......
This diff is collapsed.
Markdown is supported
0% or
You are about to add 0 people to the discussion. Proceed with caution.
Finish editing this message first!
Please register or to comment