Commit 8e99caba authored by Rafael Peretti Pezzi's avatar Rafael Peretti Pezzi

Sex Jan 8 16:30:45 BRST 2016

parent 95e8e494
This diff is collapsed.
......@@ -32,54 +32,47 @@ O Centro de Tecnologia Acadêmica é parcialmente financiado pelo CNPq.
*** Referências ***
[^REPRAP2011]:
(JONES et al., 2011)
JONES, R.; HAUFE, P.; SELLS, E., IRAVANI, P., OLLIVER, V., PALMER, C., ; BOWYER, A. RepRap - The Replicating Rapid Prototyper, Robotica. Cambridge: Cambridge University Press, 2011. v.29, p.177-191.
ABDO, A.H. Direções para uma acadêmia contemporânea e aberta. In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M.L.; ABDO, A.H. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: Ibict; Rio de Janeiro: Unirio, 2015. doi.org/10.18225/978-85-7013-109-6
PEZZI, R.P.. Ciência aberta: dos hipertextos aos hiperobjetos. In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M.L.; ABDO, A.H. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: Ibict; Rio de Janeiro: Unirio, 2015. doi.org/10.18225/978-85-7013-109-6
ALBAGLI, S.. Ciência aberta em questão. In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M.L.; ABDO, A.H. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: Ibict; Rio de Janeiro: Unirio, 2015. doi.org/10.18225/978-85-7013-109-6
BRABHAM, Daren (2008). "Crowdsourcing as a Model for Problem Solving: An Introduction and Cases" (PDF),Convergence: The International Journal of Research into New Media Technologies 14 (1): 75–90,doi:10.1177/1354856507084420. Disponível em: <http://con.sagepub.com/content/14/1/75>. Acesso em: 03 nov. 2015.
BENKLER, Yochai. The wealth of networks. How social production transforms markets and freedom. New Haven and Londres: Yale University Press, 2006. Disponível em: http://cyber.law.harvard.edu/wealth_of_networks/Download_PDFs_of_the_book. Acesso em 8 de Janeiro de 2016.
ESTELLÉS-AROLAS, Enrique; GONZÁLEZ-LADRÓN-DE-GUEVARA, Fernando (2012), "Towards an Integrated Crowdsourcing Definition" (PDF), Journal of Information Science 38 (2): 189–200,doi:10.1177/0165551512437638: Disponível em: <http://jis.sagepub.com/content/38/2/189.full.pdf+html>. Acesso em: 03 nov. 2015.
BJÖRK, Bo-Christer. Two Scenarios for How Scholarly Publishers Could Change Their Business Model to Open Access.Disponível em:http://quod.lib.umich.edu/cgi/t/text/idx/j/jep/3336451.0012.102/--two-scenarios-for-how-scholarly-publishers-could-change?rgn=main;view=fulltext. Acesso em: 28 dez. 2015.
LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.
BRABHAM, Daren (2008). "Crowdsourcing as a Model for Problem Solving: An Introduction and Cases" (PDF),Convergence: The International Journal of Research into New Media Technologies 14 (1): 75–90,doi:10.1177/1354856507084420. Disponível em: <http://con.sagepub.com/content/14/1/75>. Acesso em: 03 nov. 2015.
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
BENKLER, Yochai. The wealth of networks. How social production transforms markets and freedom. New Haven and Londres: Yale University Press, 2006. Disponível em: http://cyber.law.harvard.edu/wealth_of_networks/Download_PDFs_of_the_book. Acesso em 8 de Janeiro de 2016.
SANTANA, B.; ROSSINI, C.; PRETTO, N.D.L.. Recursos Educacionais Abertos: Práticas Colaborativas e Políticas Públicas. EDUFBA e Casa de Cultura Digital, Salvador e São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.livrorea.net.br/ .
CHESBROUGH, Henry. Why Companies Should Have Open Business Models. Disponível em:http://sloanreview.mit.edu/article/why-companies-should-have-open-business-models/. Acesso em: 26 dez. 2015.
ALBAGLI, S.. Ciência aberta em questão. In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M.L.; ABDO, A.H. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: Ibict; Rio de Janeiro: Unirio, 2015. doi.org/10.18225/978-85-7013-109-6
ENKEL,Ellen. Open R&D and Open Innovation:exploring the phenomenon. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1467-9310.2009.00570.x/pdf. Acesso em: 27 dez. 2015.
ABDO, A.H. Direções para uma acadêmia contemporânea e aberta. In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M.L.; ABDO, A.H. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: Ibict; Rio de Janeiro: Unirio, 2015. doi.org/10.18225/978-85-7013-109-6
ESTELLÉS-AROLAS, Enrique; GONZÁLEZ-LADRÓN-DE-GUEVARA, Fernando (2012), "Towards an Integrated Crowdsourcing Definition" (PDF), Journal of Information Science 38 (2): 189–200,doi:10.1177/0165551512437638: Disponível em: <http://jis.sagepub.com/content/38/2/189.full.pdf+html>. Acesso em: 03 nov. 2015.
PEARCE, J. M., “Open Source Research in Sustainability”, Sustainability the Journal of Record, 5(4), pp. 238-243, 2012. DOI:http://dx.doi.org/10.1089/sus.2012.9944
FERREIRA, Edy.How Companies Make Money Through Involvement in Open Source Hardware Projects. Disponível em: http://timreview.ca/node/228. Acesso em: 30 dez. 2015.
PEARCE, J. M. Building research equipment with free, open-source hardware. Science, v. 337, n.6100, p. 1303–1304, 2012.
JONES, R.; HAUFE, P.; SELLS, E., IRAVANI, P., OLLIVER, V., PALMER, C., ; BOWYER, A. RepRap - The Replicating Rapid Prototyper, Robotica. Cambridge: Cambridge University Press, 2011. v.29, p.177-191.
PERENS, B.; Open Sources: Voices from the Open Source Revolution, O'Really, 1999. Disponível em http://www.oreilly.com/openbook/opensources/book/perens.html . Acesso em 26 de Dezembro de 2015.
KOSCHATZKY, K. (2001) Networks in innovation researchand innovation policy – an introduction. In:Koschatzky, K., Kulicke, M. and Zenker, A. (eds),Innovation Networks:Concepts and Challenges in the European Perspective. Heidelberg: Physica Verlag.
PEARCE, J. M., "Building Research Equipment with Free, Open-Source Hardware.” Science 337(6100):1303–1304 (2012)
LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.
MCROBERTS, M.. Arduino Básico. Novatec, São Paulo, 2011.
SOARES, M.D.; SANTOS, R.D.C. Ciência Hoje, 47, 38, 2011.
PEARCE, J. M., Building research equipment with free, open-source hardware. Science, v. 337, n.6100, p. 1303–1304, 2012.
SILVA, R.B., et al. Estações meteorológicas de código aberto: Um projeto de pesquisa e desenvolvimento tecnológico. Rev. Bras. Ensino Fís. online. 2015, vol.37, n.1 São Paulo: Epub Mar 30, 2015. ISSN 1806-9126. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-11173711685. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
PEARCE, J. M., Open Source Research in Sustainability, Sustainability the Journal of Record, 5(4), pp. 238-243, 2012. DOI:http://dx.doi.org/10.1089/sus.2012.9944
MCROBERTS, M.. Arduino Básico. Novatec, São Paulo, 2011.
CHESBROUGH, Henry. Why Companies Should Have Open Business Models. Disponível em:http://sloanreview.mit.edu/article/why-companies-should-have-open-business-models/. Acesso em: 26 dez. 2015.
PERENS, B.; Open Sources: Voices from the Open Source Revolution, O'Really, 1999. Disponível em http://www.oreilly.com/openbook/opensources/book/perens.html . Acesso em 26 de Dezembro de 2015.
KOSCHATZKY, K. (2001) Networks in innovation researchand innovation policy – an introduction. In:Koschatzky, K., Kulicke, M. and Zenker, A. (eds),Innovation Networks:Concepts and Challenges in the European Perspective. Heidelberg: Physica Verlag.
PEZZI, R.P.. Ciência aberta: dos hipertextos aos hiperobjetos. In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M.L.; ABDO, A.H. (Org.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: Ibict; Rio de Janeiro: Unirio, 2015. doi.org/10.18225/978-85-7013-109-6
ENKEL,Ellen. Open R&D and Open Innovation:exploring the phenomenon. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1467-9310.2009.00570.x/pdf. Acesso em: 27 dez. 2015.
SANTANA, B.; ROSSINI, C.; PRETTO, N.D.L.. Recursos Educacionais Abertos: Práticas Colaborativas e Políticas Públicas. EDUFBA e Casa de Cultura Digital, Salvador e São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.livrorea.net.br/ .
FERREIRA, Edy.How Companies Make Money Through Involvement in Open Source Hardware Projects. Disponível em: http://timreview.ca/node/228. Acesso em: 30 dez. 2015.
SILVA, R.B., et al. Estações meteorológicas de código aberto: Um projeto de pesquisa e desenvolvimento tecnológico. Rev. Bras. Ensino Fís. online. 2015, vol.37, n.1 São Paulo: Epub Mar 30, 2015. ISSN 1806-9126. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-11173711685. Acessado em 4 de Janeiro de 2016.
SOARES, M.D.; SANTOS, R.D.C. Ciência Hoje, 47, 38, 2011.
SIMON, Imre. A incubadora virtual da FAPESP. Apresentação. São Paulo: FAPESP, 2004. Disponível em: http://www.ime.usp.br/~is/aula/incubadora-2004/incubadora-2004.pdf. Acesso em: 3 dez. 2014.
BJÖRK, Bo-Christer. Two Scenarios for How Scholarly Publishers Could Change Their Business Model to Open Access.Disponível em:http://quod.lib.umich.edu/cgi/t/text/idx/j/jep/3336451.0012.102/--two-scenarios-for-how-scholarly-publishers-could-change?rgn=main;view=fulltext. Acesso em: 28 dez. 2015.
......@@ -9,7 +9,7 @@ O trabalho conjunto no desenvolvimento de um negócio catalisa a inovação e su
Fatores como o alto custo do desenvolvimento tecnológico e o aspecto volátil da sobrevivência de novos produtos no mercado incentivam a abertura de empreendimentos (CHESBROUGH, 2007). Isso ocorre em função de que nesse processo o fardo desses fatores é sustentado pelos diversos colaboradores do negócio. Isso significa que o empreendedorismo aberto também simplifica todo o processo de inovação. Além disso, firmas tendem a sofrer uma diminuição na sua habilidade de se relacionar externamente com outras organizações e também reduzem sua base de conhecimentos a longo prazo quando não cooperam nem trocam informações. Dessa forma, pode-se dizer que o crescimento de um empreendimento pode ser acentuado através de processos abertos de desenvolvimento (KOSCHATZKY, 2001).
O sucesso dos modelos de negócio abertos vem sendo notado em organizações de diversos portes no mundo. Empresas relativamente recentes, tais como Adafruit e SparkFun, têm mantido uma plena expansão por meio de negócios colaborativos utilizando hardware aberto. Também há empresas transnacionais que têm aberto de forma gradativa seus projetos, tais como P&G e IBM, e obtido resultados positivos, apesar da mudança brusca do status quo. No Brasil, o avanço ainda é mais tímido, porém algumas iniciativas similares às já citadas obtêm êxito considerável em suas práticas. Um exemplo a ser destacado (de iniciativas em empreendedorismo aberto) é a da Incubadora Virtual da Universidade de São Paulo, que inspira-se nos projetos Wikipedia e SourceForge, que cria um espaço para inovação de forma colaborativa na parte de conteúdos virtuais (SIMON, 2004). Ela busca abrangir tanto as esferas sociais quanto tecnológicas e acadêmicas.
O sucesso dos modelos de negócio abertos vem sendo notado em organizações de diversos portes no mundo. Empresas relativamente recentes, tais como Adafruit[^AF] e SparkFun[^SF], têm mantido uma plena expansão por meio de negócios colaborativos utilizando hardware aberto. Também há empresas transnacionais que têm aberto de forma gradativa seus projetos, tais como P&G e IBM, e obtido resultados positivos, apesar da mudança brusca do status quo. No Brasil, o avanço ainda é mais tímido, porém algumas iniciativas similares às já citadas obtêm êxito considerável em suas práticas. Um exemplo a ser destacado (de iniciativas em empreendedorismo aberto) é a da Incubadora Virtual da Universidade de São Paulo, que inspira-se nos projetos Wikipedia e SourceForge, que cria um espaço para inovação de forma colaborativa na parte de conteúdos virtuais (SIMON, 2004). Ela busca abrangir tanto as esferas sociais quanto tecnológicas e acadêmicas.
Um desafio a ser superado reside em desconstruir a ideia de que a abertura de um empreendimento o faz perder o propósito de lucrar. Não há correlação direta entre estes fatores, tendo em vista os casos de prosperidade mencionados anteriormente, o que remete também à distinção de abertura e liberdade para gratuidade. A verdadeira mudança se apresenta na forma de organização do desenvolvimento do produto e não na sua rentabilidade. Também é preciso reformular o uso de licenças no desenvolvimento de produtos, utilizando licenças permissivas, de forma a não fechar o produto, incentivando que quem busque o produto com interesses de utilizá-lo para comercialização de alguma forma mantenha-o aberto e colabore para sua melhoria e diversificação.
......@@ -17,5 +17,9 @@ O Centro de Tecnologia Acadêmica disponibiliza suas tecnologias e ferramentas p
[^OB]: *Open business*. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Open_business. Acessado em 8 de Janeiro de 2016.
[^AF]: *Adafruit Industries*. Disponível em: https://www.adafruit.com/about. Acessado em 8 de Janeiro de 2016.
[^SF]: *Sparkfun Electronics*. Disponível em:https://www.sparkfun.com/. Acessado em 8 de Janeiro de 2016.
......@@ -61,10 +61,10 @@ Na próxima seção descrevemos a primeira máquina elaborada no Centro de Tecno
[^SiteCTA]: Centro de Tecnologia Acadêmica. Disponível em http://cta.if.ufrgs.br/. Acessado em 08 de Janeiro de 2016.
[^OHWR]: *Open Hardware Repository*. Disponível em http://www.ohwr.org/. Acessado em 08 de Janeiro de 2016.
[^chiliproject]: Página do sistema ChiliProject. Disponível em https://www.chiliproject.org/. Acessado em 08 de Janeiro de 2016.
[^OHWR]: *Open Hardware Repository*. Disponível em http://www.ohwr.org/. Acessado em 08 de Janeiro de 2016.
[^encontros_CTA]: Fórum Encontros Periódicos do CTA. Disponível em http://cta.if.ufrgs.br/projects/suporte-cta/boards/7 . Acessado em 08 de Janeiro de 2016.
[^git_CTA]: Repositório Git do CTA. Disponível em https://git.cta.if.ufrgs.br/ . Acessado em 08 de Janeiro de 2016.
......@@ -73,6 +73,5 @@ Na próxima seção descrevemos a primeira máquina elaborada no Centro de Tecno
[^KiCAD]: Página do software KiCAD. Disponível em http://kicad-pcb.org . Acesso em 29 de Novembro de 2015.
[^escl]: O Hiperobjeto pode ser entendido como aquele que "utiliza componentes e materiais facilmente acessíveis, processos padrões, infraestrutura aberta, conteúdo irrestrito, e ferramentas de desenho livres". Enquanto a definição de Hardware Open Source traz estes como o caso ideal, no hiperobjeto são condições mínimas.
This diff is collapsed.
......@@ -7,4 +7,3 @@ Iniciamos com uma breve reflexão sobre os impactos das tecnologias digitais na
Descrevemos como estes conceitos são integrados como princípios no Centro de Tecnologia Acadêmica visando a atualização da academia nos modos de produção, gestão e disseminação do conhecimento. Por fim, apresentamos alguns exemplos de instrumentos abertos desenvolvidos no CTA, juntamente com reflexões sobre o papel que os princípios adotados pelo Centro têm para a formação dos alunos e o impacto que seus projetos podem ter na sociedade pela integração natural com a pesquisa e extensão universitárias.
This diff is collapsed.
Markdown is supported
0% or
You are about to add 0 people to the discussion. Proceed with caution.
Finish editing this message first!
Please register or to comment